Indicadores
Culturais

Ferramentas para a
gestão pública da cultura

Conheça nossa proposta

Nossa proposta

Um olhar transdisciplinar sobre a gestão cultural

Indicadores Culturais: Ferramentas para a gestão pública da cultura é uma formação de extensão virtual de nível introdutório que apresenta os antecedentes e práticas recomendadas em uso de estatística e informação em políticas públicas de cultura, relacionando as ferramentas, conceitos e processos desta tarefa ao corpus científico das ciências sociais aplicadas e à realidade brasileira.

Conta com um módulo prático, que possibilitará aos participantes desenvolver um indicador para aplicação em um projeto próprio.

As atividades e interações na plataforma de ensino poderão ser realizadas em língua portuguesa e espanhola.

Carga horária
40 horas/aula (oito aulas)
Período letivo
11/03/2019 a 06/05/2019
Plataforma
Google Classroom

Docente

Rafael Henrique Cruz de Sousa

Rafael Cruz [[email protected]]

É doutorando em Ciências Sociais pela Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales (FLACSO Argentina) e pesquisador convidado da área de Comunicação e Cultura da instituição. É pesquisador associado do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura (CLAEC).

Integrou a equipe de estatística do Ministerio de Cultura de la Ciudad Autónoma de Buenos Aires e do Sistema de Información Cultural de la Argentina (SInCA), do Ministerio de Cultura de la Nación. Se dedica a estudos relacionados à economia política da comunicação e da cultura.

Objetivos

Conhecer usos e antecedentes

Conhecer os antecedentes e práticas recomendadas em uso de estatística e informação em processos de tomada de decisão em políticas públicas de cultura.

Produzir indicadores

Desenvolver indicadores observando critérios de precisão, confiabilidade, representatividade e aplicação em políticas públicas culturais de tipo social, setorial e/ou territorial.

Relacionar às ciências sociais

Contextualizar as práticas, ferramentas e processos do uso de estatística e informação ao corpus científico das ciências sociais aplicadas e à dinâmica da política cultural brasileira.

Aplicar em projetos

Aplicar a projetos e demandas próprias a prática metodológica apresentada em processos de diagnóstico, implementação, monitoramento e avaliação.

Sobre a ELACult

Espaço de ensino plural e Latino-Americano

A ELACult é o espaço de formação e atualização acadêmica do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura (CLAEC) que oferece propostas de ensino com foco na promoção, expansão e difusão das políticas socioculturais, adotando como eixo transversal a diversidade social e cultural Latino-Americana.

É integrada a rede de pesquisadores/as do CLAEC, presente em sete países da América do Sul, América do Norte e Europa e representado localmente pela Sede Brasil e as Subsedes Argentina e Uruguai.

Espaço que possibilita, em formato de cursos e seminários, a difusão das mais recentes resultantes de pesquisa da rede.

claec.org/elacult

Modalidades de ensino

Extensão Universitária

Formação de curta duração para complementar estudos de graduação com conteúdos relacionados ao curso.

Pós-Graduação

Seminários oferecidos em parceria com instituições de ensino superior conveniadas com o CLAEC.

Programas especiais

Desenvolvidos especialmente ao poder público para capacitação de gestores públicos e para organizações sociais e comunitárias.

Dados territoriais: Uso de dados geográficos no Mercosul

Quantidade de países sobre o total de 11.

10
Contam com um
mapa cultural de
abrangência nacional
9
Utilizam software livre
em seus sistemas públicos
9
Possuem uma Infraestrutura de
Dados Espaciais (IDE)
de abrangência nacional
6
Mapeam espaços privados
e comunitários, além da
oferta pública

Estructura de los mapas culturales en los países del SICSUR (2016). Mercosur Cultural.

Medir a(s) cultura(s)?

Indicadores aplicados à gestão cultural

Com antecedentes de uso na administração pública desde a década de 1960 e presente em debates da UNESCO desde a década de 1970, o uso de dados e informação na gestão pública da cultura vem se consolidando como importante instrumento metodológico para a assegurar a tomada de decisão em políticas que tem como característica sua transversalidade e potencial de coesão social.

Estabelecer um panorama realista, elaborado sob rigor científico, quanto a realidades sociais, econômicas e territoriais, e que leva em conta a diversidade presente nas interpretações de cultura e valor, nos possibilita produzir subsídios a orientação e tomada de decisão em processos de diagnóstico, implementação e avaliação das ações do Estado no setor.

Intersecções

Nas ciências sociais

Indicadores fornecem um importante aporte na reflexão sobre conceitos de valor, hábito e percepção nas dinâmicas de produção, circulação, consumo / fruição de bens simbólicos à luz da sociologia da cultura.

Na economia

Permitem observar aspectos formais, como tributação, faturamento e emprego e lógicas particulares da economia da cultura, como intercâmbios não mercantis e a economia da informação (Benhamou, 2004).

No território

Incentivam a pensar o território a partir da questão da acessibilidade cultural, desde o horizonte dos recursos e aplicado a uma problemática social, por meio de dados censais, geográficos e de infraestrutura urbana.

Dados setoriais: Quantas salas de cinema existem no Brasil?

Série histórica (1971-2017), segundo registros da Agência Nacional do Cinema (ANCINE).

1399
1987
1075
1997
2160
2007
3223
2017

Extrato ANCINE (2017), com dados de Filme B (1971 a 2006).

Aula 01

Políticas Culturais Brasileiras

[Objetivos]

Conhecer e contextualizar aspectos institucionais das políticas culturais no Brasil no recorte temporal 1930-2007 e analisar o processo de implementação do Plano Nacional de Cultura, Lei Federal 12.343, de 02/12/2010, que institui o Plano Nacional de Cultura (PNC), cria o Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC) e do Projeto de Emenda Constitucional 416/2005, que acrescenta o art. 216-A à Constituição para regulamentar o Sistema Nacional de Cultura.

[Bibliografia principal]

RUBIM, A. A. C. Políticas culturais no Brasil: tristes tradições. Galáxia. Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica. n. 13, p. p. 101-113, maio/2006.

Aula 02

Sistemas de Informação Cultural

[Objetivo]

Observar os antecedentes internacionais no uso de informação na tomada de decisão na administração pública da cultura e detalhar os componentes de um Sistema de Informação Cultural (SIC).

[Bibliografia principal]

CARRASCO ARROYO, S. Medir la cultura: una tarea inacabada. Periférica, Cádiz, v.1, n. 7, p. 140-168, 2006.

Aula 03

Indicadores: procedimentos metodológicos nas ciências sociais

[Objetivo]

Identificar na metodologia das ciências sociais, conceitos e práticas que possam apoiar análises de tipo quantitativo e qualitativo.

[Bibliografia principal]

MARRADI, A.; ARCHENTI, N.; PIOVANI, J. I. Indicadores, validez, construcción de índices. In: Manual de metodología de las ciencias sociales. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2018. p. 51-66.

Aula 04

Gestão do conhecimento: ontologias e taxonomias da cultura

[Objetivo]

Destacando a fundamental importância do desenvolvimento e fundamentação dos metadados na dinâmica dos Sistemas de Informação Cultural (SICs), explorar boas práticas na consolidação de inventários e dicionários de dados, detalhando os processos ontológicos e taxonômicos, segundo a literatura das Ciências da Informação.

[Bibliografia principal]

BERMEJO, J. A Simplified Guide to Create an Ontology. Madrid: The Autonomous Systems Laboratory. 2007.

Aula 05

Indicadores culturais: enfoque econômico e territorial

[Objetivo]

Interpretando a ideia de valor(es) e recursos, contextualizar o uso de indicadores em finalidades de tipo econômico e territorial, contemplando questões sobre consumo, produção e acessibilidade cultural.

[Bibliografia principal]

MIGUEZ, P. Alguns aspectos do processo de constituição do campo de estudos em economia da cultura. Trabalho submetido para apresentação no IV Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2008.

Aula 06

Oficina prática I: definição de objetivos e pergunta-problema

[Objetivo]

De forma prática e trabalhando sobre uma ficha individual de indicador, definir um objetivo e pergunta-problema em um projeto pessoal do/a participante que possa contar com o apoio de indicadores culturais em seu desenvolvimento.

[Bibliografia principal]

MARRADI, A.; ARCHENTI, N.; PIOVANI, J. I. El diseño de la investigación. In: Manual de metodología de las ciencias sociales. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2018, p. 81-95.

Aula 07

Oficina prática II: abordagem estatística/matemática e estrutura do indicador

[Objetivo]

De forma prática e trabalhando sobre uma ficha individual de indicador, definir a abordagem estatística/matemática mais adequada e a estrutura de um indicador às ser aplicado no projeto pessoal do/a participante.

[Bibliografia principal]

CHAPARRO, F. P., JIMÉNEZ, J. S., SALINAS, M. M. Los indicadores de gestión en el Sector Público. Revista de Economía y Estadística, Córdoba, V. 43, N. 2, p. 109-129, 2005.

Aula 08

Oficina prática III: intercâmbio de resultados

[Objetivo]

Apresentar as resultantes da ficha individual de cada participante e identificar possíveis vínculos entre projetos, pesquisas e/ou iniciativas em desenvolvimento no âmbito da Rede de Pesquisadores do CLAEC.

Juntos

Faça parte desta proposta

A oferta 01/2019 receberá inscrições entre 05/02/2019 e 08/03/2019 pelo site da ELACult.
Conheça o programa completo, verifique as perguntas frequentes e confira a relação de aprovados/as na seleção de bolsistas.
Nosso contato para dúvidas e apoio no processo de inscrição é [[email protected]].

CLAEC

Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura
CNPJ Nº 13.448.301/0001-24 | OSCIP/MJ Nº 08071.003994/2015-89
Rua Marechal Deodoro, nº 377, Jaguarão, Rio Grande do Sul, Brasil